CUOTIDIANO

sábado, julho 08, 2006

Grandes mistérios da mente feminina (III)

Porque será que elas acham que sabem sempre o que os homens querem ?


“Se o bacalhau pudesse escolher teria lombos apetitosos, postas suculentas ...”. Bom, falo por mim, mas se eu fosse o bacalhau escolhia não ser capturado.

Isto vem a propósito da mania que as mulheres têm de achar que sabem sempre o que é melhor para os homens, quer eles o queiram ou não; aliás, se calhar é este o princípio básico das ditaduras (“não percebes nada disto, deixa a política para os políticos que nós sabemos o que vocês querem e tratamos de tudo, tu incluído”, como diria um bigode célebre). Mas o que é mais fantástico é que, como a grande maioria das mulheres não tem um país para “ditaduriar”, resolve aplicar esta mesma teoria às suas relações, chamemos-lhe, amorosas. Um exemplo:

Tocam à porta, ele vai abrir e vê a sua namorada que apareceu de surpresa (logo aí, uma coisa que os homens detestam, a menos que essa surpresa seja uma stripper a surgir nua de dentro de um bolo)
- Olá.
- Olá, trago-te um presente, vê, este belo elefante cor-de-rosa!
- O quê?!
- Sim, comprei-o a pensar em ti. Bem sei que foi um bocado caro, gastei todas as minhas economias e ainda recorri ao crédito, mas valeu a pena – Não é lindo?
- Mas... mas... mas o que é que eu faço com esse monstro desse elefante cor-de-rosa?!
- Não me digas que não gostas! Empenho-me toda, faço tudo por ti e depois é esta a paga?!
- Sim, é lindo, obrigado, mas... mas.. não é isso, é que...
- Já não gostas de mim, é isso, não é ?!
- Gosto, claro que gosto, não digas disparates. Mas é que um elefante cor-de-rosa...
- Já não gostas de mim, é isso mesmo, vê se tens coragem para o dizer, vá lá, diz, diz!
- Mas...mas...

Esta história tem duas continuações possíveis:
- Ou ele “engole” o elefante, ficando infelicíssimo (para além de gastar todo o seu dinheiro na alimentação do animal) e ela para todo o sempre convencida que teve uma atitude extraordinariamente altruísta e que, para além disso, os homens são todos uns parvos e uns putos que não percebem nada de relações amorosas ou;
- Não “engole” o elefante, passando os anos seguintes da sua vida a implorar-lhe perdão sem saber bem porquê (talvez só para ter direito a uma quequita esporádica...), ficando infelicíssimo (para além de gastar todo o seu dinheiro em prendas para a namorada) e ela para todo o sempre convencida que teve uma atitude extraordinariamente altruísta e que, para além disso, os homens são todos uns parvos e uns putos que não percebem nada de relações amorosas.
É mais uma bela situação de “ou se perde ou se perde”.

Para explicar tudo isto, vamos à Ciência - Em termos freudianos(*), pode dizer-se que tudo tem origem no facto dos homens recém-nascidos mamarem nas suas mães, o que lhes provoca uma patológica confusão entre sexo e sobrevivência (segundo estudos recentes, os que mamaram em biberons têm mais tendência para a homossexualidade, mas isso são contas de outro rosário). Por consequência, estabelece-se um estranho reflexo pavloviano(***) entre “vejo mamas” e “tenho de obedecer senão não como” (literal ou não), o que conduz a que, o que quer que elas achem que eles querem, eles passam a achar que querem e sempre quiseram. Confuso? Então passemos à explicação mais simples - Elas sabem sempre o que os homens querem porque, realmente, sabem. Também é de caras (isto é como acertar na lotaria quando só pode sair um número...) – A única coisa que os homens querem, efectivamente, é sexo; tudo o mais da vida não passa de preliminares.

Bom, peço desculpa mas tenho de ficar por aqui que o meu elefante cor-de-rosa, o sonho de uma vida, tão generosamente oferecido pela minha namorada, precisa de ir descarregar umas toneladas de trampa no parque – da última vez que me esqueci de o levar à rua, fiquei de tal forma soterrado que tive de ser retirado de casa por três corporações de bombeiros.

“Se o bacalhau pudese escolher...” - Mas não pode...

______________________________________________

(*) - Sigmund Freud (1856-1939), neurologista austríaco fundador da Psicanálise. Foi o primeiro homem a masturbar-se sem pensar em macacas nuas, o que representou um grande avanço em relação a Darwiin (**).

(**) - Charles Robert Darwin (1809-1882), naturalista britânico, criador da teoria em que a evolução se dá por meio da selecção natural e sexual, ou seja, quem se masturbe pensando em elefantes é um bronco de um Australopithecus.

(***) - Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936), fisiólogo russo, famoso pelas suas descobertas no campo dos condicionamentos psicológicos do comportamento. Por outras palavras, mostra-me um belo traseiro que eu salivo (citando o cão de Pavlov).

3 Commenários:

  • Desculpa, mas o autismo relacional é mútuo, não um exclusivo das mulheres. Posso-te enumerar uma lista interminável de exs que me ofereceram ratos ópticos, softwares, jogos de computador, peças de louça, peluches aterrorizantes ou filmes do Chuck Norris.

    Não é defeito das mulheres, é defeito da preguiça intrínseca que assola alguns seres humanos e que os faz nem sequer tentarem saber quem o outro é. Sendo que "o outro" é alguém de quem supostamente gostam, parece-me patológico. :-)

    By Blogger M., at 10 de julho de 2006 às 22:41  

  • Era só uma bincadeira, não um tratado de psicologia comportamental...

    Também nunca disse que o inverso (os homens acharem sempre...) não se passava,tanto mais que a célebre frase "o que tu queres sei eu!" é considerada frase de homem...

    Beijos

    By Blogger cuotidiano, at 11 de julho de 2006 às 18:11  

  • Nunca perceberei porque preferem eles vacas a elefantes. Sabes tu?

    By Anonymous Não posso dizer que sou eu! :-), at 25 de fevereiro de 2009 às 02:25  

Enviar um comentário

<< Home